Sindicato faz novo convênio de serviço

 

Sindicato Rural de Ponta Grossa faz convênio com a Barbearia Estação e todos os sindicalizados e seus dependentes tem descontos nos serviços de barbearia.
A Barbearia Estação, que fica na mesma quadra do Sindicato Rural, surgiu de uma herança profissional de família que, há 60 anos está neste ramo. A Barbearia foi inaugurada em 01/06/2015 por Cristiano Del Sávio com a intenção de oferecer um serviço tradicional de qualidade nos moldes atuais. Além do corte de cabelo e barba, ele oferece ao seu cliente um ambiente agradável e descontraído, com uma boa música e uma decoração do universo masculino. O cliente sente-se relaxado e esquece um pouco o estresse do dia a dia. O destaque está principalmente ao fazer a barba, que prevê uma preparação com óleos para amaciar o pêlo e hidratar a pele, toalha quente para abrir os poros e facilitar o corte pela lâmina e a finalização com bons produtos de pós barba. Os clientes que estão aguardando o serviço podem ler revistas juntamente com uma cerveja bem gelada ou simplesmente bater um bom papo e fazer amigos.

 

 

Conheça um pouco mais sobre a profissão

 

A palavra “Barneiro” tem origem da palavra latina barba, homônima ao português.
Nos dias atuais, este termo se refere ao profissional que cuida especificamente da beleza do público masculino.

O curioso é que registros históricos revelam que os primeiros Barbeiros não executavam apenas os trabalhos aos quais estamos acostumados e que associamos ao ouvir este nome.

Nas antigas civilizações, os padres e os grandes curandeiros, ou homens que trabalhavam com a medicina, foram os primeiros Barbeiros existentes e um dos membros mais importantes e respeitados da sociedade.

Este respeito e admiração se deviam, em grande parte, à superstição dos povos antigos. Eles acreditavam que cada indivíduo recebia bons ou maus espíritos, os quais adentravam os corpos através dos cabelos.

E como a única maneira de se livrar dos maus espíritos era cortando os cabelos, os Barbeiros, vejam só, ganharam notoriedade, afinal, eram eles os responsáveis por esta atividade.

De fato, os Barbeiros destas tribos ainda realizavam casamentos e batizavam crianças, ou seja, também eram os “responsáveis” religiosos destas comunidades.

No Egito Antigo, muitos séculos antes de Cristo, papiros encontrados na época relatam que o povo egípcio faziam a barba e, até mesmo, rapava a cabeça. Há ainda aqueles que iam mais longe: os sacerdotes egípcios chegavam a depilar o corpo todo, pelo menos, uma vez por mês.

Na Idade Média, o papel do Barbeiro também ia além do que estamos acostumados a ver e a ouvir. Eles chegavam a realizar outros procedimentos, assim como os “normais” corte de cabelo e barba: cirurgias, extrações dentárias, sangria, ventosaterapia, tudo fazia parte da rotina do Barbeiro-cirurgião, como era comumente conhecido.

A primeira organização de Barbeiros a qual se tem notícia é datada do ano de 1096 na França.

Este fato aconteceu, porque Guilherme, arcebispo de Roma, proibiu os homens de ostentarem barbas e bigodes. Como a igreja tinha muita influência na época, conseguiu.

Os Barbeiros foram supervalorizados, pois os seus serviços eram requeridos com frequência, afinal, se não podia usar barba, teria que ter alguém para fazê-la.

Deste modo, os Barbeiros começaram a prosperar por toda a Europa. Pessoas comuns e até os nobres frequentavam as Barbearias para cuidar do visual e de eventuais doenças.

No século XIX, nos Estados Unidos, mais precisamente na cidade de Chicago, foi criada a primeira escola de Barbearia nos moldes que conhecemos hoje. Apenas a partir dos anos 20 que o trabalho de Barbeiro começou a se profissionalizar.

Os dias atuais
Em outros tempos, qualquer homem que se preocupava minimamente com a aparência já tinha sua masculinidade colocada em xeque. Não que hoje o homem tenha se livrado deste estigma, mas a aceitação desses novos hábitos é bem maior. É só olharmos ao redor e repararmos na quantidade de produtos de beleza, serviços e, até mesmo, revistas, sites, publicações, todos dedicados à beleza do “universo masculino”.

Estes cuidados, que outrora não passavam de uma ida ou outra à Barbearia para fazer a barba e cortar os cabelos, atingiram um escopo capaz de deixar algumas pessoas, principalmente as mulheres, de queixo caído. Hoje, os homens já procuram serviços de depilação corporal, massagens, tiram a sobrancelha, passam cremes hidratantes, colorem os cabelos, fazem as unhas das mãos e pés, realizam tratamento de pele com aplicação de peeling e botox e chegam, até mesmo, a implantar silicone em partes do corpo, como, a panturrilha e peitoral.

 

 

Please reload

Please reload

Siga-nos
  • Facebook Basic Square

© 2023 por Sindicato Rural de Ponta Grossa