Agricultor consegue 79 sacas de feijão por hectare


A observação de inúmeras variáveis controladas pelo agricultor possibilitou uma excelente colheita de feijão BRS Estilo da Embrapa, na Fazenda Dona Lena, no município de Piraí do Sul, de propriedade de Maria Helena Tonon. A fazenda conseguiu a marca de 79,3 sacas de feijão por hectare, ou seja, 4758 kg por hetcare, no talhão 80 que tem 41 hectares. A área total da fazenda é de 280 hectares, porém, desta foram destinados 82 para o cultivo de feijão. O talhão que menos produziu foi o de nº 100, que teve uma produtividade de 64 sacas. Portanto, a média geral da fazenda foi de 71,65 sacas. O gestor agrícola da fazenda, Marcus Angelo Tonon Pucci, explica que sua receita para a produtividade é ter obedecido às regras do plantio direto na palha. “Essa técnica já aprendi com meu avô Zico Tonon, que a utilizou desde que surgiu há 40 anos. Portanto, é uma área na qual obedecemos à rotação de cultura, tanto que a última vez que foi plantado feijão foi no verão de 2014/15. Naquela época conseguimos 58 sacas de feijão por hectare e já nos dávamos por satisfeitos”, explica o gestor. Ele fala que outro segredo está no uso de tecnologia nutricional da planta para que ela aproveite tudo o que o solo oferece. “Além da tecnologia nutricional, o clima também nos ajudou muito e assim conseguimos somar um grande número de variáveis a nosso favor e obter essa produtividade recorde”, esclarece Marcus. Ele fala que outros fatores também foram seguidos, como plantio na profundidade correta, velocidade de 5km por hora, semente selecionada e tratada industrialmente pela Cooperativa Castrolanda e com alto vigor. “Usamos a variedade BRS Estilo da Embrapa que, no meu ponto de vista, contribui bastante, porque tem um período maior de floração. Assim, a planta passa a ter melhores condições para carregar as vagens e isso ajuda na produção. O nosso solo tem altos pontos de potássio, fósforo e a matéria orgânica é bastante alta, na casa de 6%, o que oferece uma boa quantidade de nitrogênio. Além disso, usamos uma adubação balanceada e uma tecnologia de bioativação do solo”, descreve o gestor. Ele destaca que a bioativação do solo nada mais é do que dar a capacidade para solo e planta trocarem nutrientes de uma forma mais equilibrada. “Portanto, além desses fatores colhemos na hora certa e a única coisa ruim é o preço que no momento não é tão atrativo como estava há alguns meses. Apesar disso não podemos reclamar, pois fomos muito abençoados com essa produtividade”, diz sorrindo Marcus Tonon.

Partilha de conhecimento - O agricultor não deseja guardar o segredo e pretende compartilhar sua planilha, pois em sua opinião a troca de conhecimento é que gera a riqueza. “Vou deixar minha planilha e meu contato disponível para troca de informações. Ali mostro a sequência da produção com os produtos utilizados, custos, inclusive de mecanização, fretes, recepção, secagem, armazenagem, amostra da área do talhão dos dois últimos anos, entre outros dados. Todos esses detalhes ajudam para que produtor tire a sua conclusão e assim possamos nos ajudar. Desta forma, podemos melhorar a produtividade e a renda nas propriedades. Conhecimento gera conhecimento. Conhecimento compartilhado gera muito mais riqueza. Acredito que tudo que fazemos deve ser passado para frente. Mas não é tudo o que fizemos aqui que irá funcionar em outra propriedade. O agricultor precisa conhecer bem seu solo para extrair de maneira consciente o que ele pode oferecer”, anuncia o gestor. Outra dica, segundo ele, é que o produtor deve procurar constantemente o aprimoramento do conhecimento através de dias de campo, formação de palestras, entre outros, e assim tirar o máximo proveito da terra.

BRS Estilo - A BRS Estilo é uma nova cultivar de feijoeiro comum com grãos carioca, indicada para cultivo em 13 Estados pertencentes às cinco regiões brasileiras. Apresenta 2.072,3kg ha-1 de produtividade média, 7,5% de superioridade em relação às testemunhas, grãos claros, alto potencial produtivo (4.011 kg ha-1), arquitetura ereta, tolerância ao acamamento e resistência a antracnose. A BRS Estilo apresenta ciclo normal (de 85 a 90 dias, da emergência à maturação fisiológica) semelhante às testemunhas. Suas plantas são arbustivas, com hábito de crescimento indeterminado tipo II e as flores são brancas. Na maturação fisiológica, as vagens são bicolores, amarelas levemente estriadas de vermelho. Já na maturação de colheita, as vagens têm coloração amarelo areia, uniforme. Os grãos são do tipo carioca (bege com rajas marrons), de forma elíptica semi-cheia, sem brilho, semelhantes ao da cultivar Pérola. Mais - Quer saber mais sobre esse assunto? Veja a visita que a equipe Mais Rural fez na Fazenda Dona Nena e a conversa com Marcus Tonon. Usando um leitor de QR code, aproxime seu aparelho móvel do código ao lado e assista a reportagem. A planilha em PDF está disponível no link abaixo. É só copiar e colar no navegador que abrirá a pasta:










Siga-nos
  • Facebook Basic Square

© 2023 por Sindicato Rural de Ponta Grossa