Agricultura de precisão influencia ou não nos rendimentos da propriedade?

 

A Agricultura de Precisão não é somente diminuir custos, mas saber onde investir e em que momento intervir para melhorar os índices de produtividade e rentabilidade.

 

A Agricultura de Precisão traz algumas indagações aos agricultores. Para conversar sobre o assunto a Mais Rural entrevistou o gerente de engenharia da empresa SGS Unigeo, Bruno Figueiredo. Ele explicou que a grande questão é como gerar informações de qualidade e também a sua interpretação. “Por isso é importante a rastreabilidade, ou seja, boa coleta de amostra de solo, a escolha de um bom laboratório para termos dados confiáveis e junto disso construir soluções de problemas e também econômicos em todo o processo da cadeia, com informações de qualidade.”, relata o gerente. Ele destaca que quando o processo envolve a utilização de fertilizantes, correção de solo, defensivos, mapeamento de nematóides, entre outras tarefas, as informações precisam estar corretas. “Quando integramos todas estas informações podemos ir mais longe e quando essas informações estão exatas, nos dão uma tomada de decisão que beneficia a cultura e os rendimentos do produtor. Assim, ele faz um gerenciamento mais detalhado do sistema de produção agrícola, ou seja, não somente das aplicações de insumos ou de mapeamentos diversos, mas de todo os processos envolvidos na produção.”, afirma Figueiredo. Portanto, agricultura de precisão é um sistema de manejo integrado de informações e tecnologias, fundamentado nos conceitos de que as variabilidades de espaço e tempo influenciam nos rendimentos dos cultivos.
Segundo Bruno, a Agricultura de Precisão trabalha a correção de solo, nutrição de plantas, mapeamento de nematóides, entre outras ferramentas para ajudar na tomada de decisões. Em relação à nutrição, ele explica que o serviço compreende a base da planimetria da área, ou seja, é a representação gráfica de um espaço, e assim se constrói grids customizados. “Nosso grid é formado por multicamada de altimetria e assim, temos texturas do solo, índices de vegetação para o mapa de colheita. Desta forma, buscamos integrar informação de grid no mesmo nível, textura e potencial vegetativo. Quando temos estes grids de um (01) a quatro hectares, que são variados de informação, temos por trás disso uma coleta de solo de garantia, onde nossos colaboradores são rastreados por software e também auditados para saber se fizeram uma boa coleta. Estas amostras são encaminhadas para um laboratório e junto delas mandamos uma amostra padrão desenvolvida por nossa companhia, onde auditamos o valor do resultado laboratorial. Fazemos isso para termos mais confiabilidade e gerarmos um histórico da área e das recomendações e com base nisso podemos tomar decisões mais acertadas e manter o equilíbrio correto do solo.”, descreve Bruno.  Ele fala ainda, que o mapeamento de nematóides evoluiu junto com o processo de nutrição. “Percebemos que algumas manchas se repetiam e vimos que isso está sendo causado por causa dos nematóides. Portanto, apresentamos uma solução integrada em conjunto com o agricultor para ter uma boa nutrição e sanidade das plantas com estratégia de manejo ao longo do tempo para melhorar sua rentabilidade e também sua sustentabilidade.”, explica Figueiredo. Ele define que agricultura de precisão não é somente de diminuir custos, mas sim saber onde investir e em que momento intervir para melhorar os índices de produtividade e também de rentabilidade.

Informações integradas podem levar o produtor mais longe. Estes dados, quando exatos,  ajudam na tomada de decisão que beneficia a cultura e os rendimentos . 

 

Please reload

Please reload

Siga-nos
  • Facebook Basic Square

© 2023 por Sindicato Rural de Ponta Grossa

Sindicato Rural de Ponta Grossa - Pr

Tel: (42) 3222-4945