Palavra do Presidente - Ed. MR_36


O início de nossa conversa não poderia ser de outro modo. A Greve dos Caminhoneiros. Um assunto que ganhou corpo e apoio do Sindicato Rural de Ponta Grossa, FAEP e outros seguimentos da sociedade. Uma pauta que não envolveu só óleo disel, insumo importante tanto para quem está na estrada como no campo movendo colheitadeira, trator,

entre outros equipamentos. O ato mostrou que temos que rever a carga tributária, um estado engessado e as políticas públicas. Temos que fazer uma reflexão de tudo isso e traçar um novo caminho equilibrado e justo para todos. PERDAS - A paralização trouxe prejuízos ao produtor, que já vinha acumulando um déficit, principalmente os produtores de grãos, leite, suínos e frangos. Mas, mesmo assim, eles engrossaram as fileiras de protesto com seus tratores dando apoio ao movimento. A avicultura e a suinocultura são as atividades mais atingidas pela paralisação. De acordo com o levantamento da FAEP, 245 mil suínos deixaram de ser abatidos no Estado, impedido que R$ 107 milhões circulassem na economia paranaense. Ainda, o documento aponta que 59 milhões de frangos não foram abatidos, enquanto quase 70 milhões acabaram morrendo no Brasil, entre frangos e pintainhos. Na pecuária de leite, os produtores rurais também registram prejuízo. Com a coleta suspensa, por conta da greve dos caminhoneiros, muitos estão sendo obrigados a jogar o leite fora. A Pool Leite, associação de 800 produtores que congrega sete cooperativas (Frísia, Castrolanda, Capal, Bom Jesus, Coamig, Witmarsum e Agrária), está sendo obrigada a jogar fora 1,5 milhão de litro por dia. SACRIFÍCIO - O governo, para atender o pedido dos caminhoneiros e baixar o preço do óleo diesel, irá cortar milhões de reais que estavam destinados ao setor do agronegócio a exemplo da produção familiar, reforma agrária e exportações. Além disso, irá tirar dinheiro de pesquisa, seguro agrícola e sanidade, um impacto que o Brasil todo vai sentir. Não entenderam as demandas do produtor e não entendem um país que depende da boa condição do agronegócio. UNIÃO - Agora que alguns pontos foram acolhidos pelo governo, e para não deixar que elementos estranhos queiram se apoderar do movimento democrático, é hora de parar e voltar ao trabalho. Lembramos que os produtores e os caminhoneiros atuam com interdependência. Já estiveram juntos em diversas jornadas de lutas e precisam continuar seguindo juntos, a fim de destravar nossa economia e fortalecer nossa competitividade. Não podemos esquecer que temos eleição este ano. Portanto, a nossa maior arma é o voto. Que a escolha de nossos representantes seja pautada pela ética, trabalho e compromisso com toda a sociedade e não só por um segmento. EDIÇÃO - Nesta edição, vimos que chegou um momento em que os sindicatos terão que se reinventar, pois não temos mais a Contribuição Obrigatória. Porém, não podemos esquecer que para manter a representatividade precisamos de recursos e a contribuição do produtor, de forma voluntária, é importante. Pois será investido na defesa do produtor em diversas áreas, entre elas continuar a luta por preço mínimo, seguro agrícola, crédito, leis coerentes, entre outras. Também temos reportagens interessantes como a nova variedade de mandioquinha-salsa, a importância da genética em ovinos, o Valor da Terra Nua, desmistificação do uso de defensivos, entre outros assuntos. Desejamos a todos uma ótima leitura.


Baixe nosso aplicativo


Revista Mais Rural! A revista do produtor rural. Agora também no formato digital para Android e IOS. Você pode baixar o aplicativo e conteúdo gratuitamente. Assim, você terá conteúdo interativo com vídeos, fotos e áudio. App no Gplay: https://play.google.com/store/apps/details?id=com.magtab.REVISTAMAISRURAL App no iTunes: https://itunes.apple.com/app/revista-mais-rural/id1294288078?ls=1&mt=8

Siga-nos
  • Facebook Basic Square

© 2023 por Sindicato Rural de Ponta Grossa