FAO: Preços globais de commodities alimentícias se recuperam em agosto.

Publicado em 02/09/2021

Os preços globais das commodities alimentares se recuperaram rapidamente em agosto após dois meses consecutivos de queda, liderados por fortes ganhos nas cotações internacionais de açúcar, trigo e óleos vegetais, Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) relatado hoje.

O Índice de Preços de Alimentos da FAO teve média de 127,4 pontos em agosto, 3,1% a mais que julho e 32,9% em relação ao mesmo mês em 2020. O índice acompanha as mudanças mensais nos preços internacionais de produtos alimentícios comumente comercializados.

O Índice de Preços do Açúcar da FAO subiu 9,6 por cento em relação a julho, impulsionado por preocupações com os danos causados pela geada nas safras do Brasil, o maior exportador de açúcar do mundo. O aumento foi mitigado pelas boas perspectivas de produção na Índia e na União Europeia, bem como pela queda dos preços do petróleo bruto e pela desvalorização do real.

O Índice de Preços do Óleo Vegetal da FAO aumentou 6,7% em agosto, com os preços internacionais do óleo de palma revertendo para máximos históricos devido a preocupações prolongadas sobre a produção abaixo do potencial e reduções de estoque resultantes na Malásia. As cotações para óleo de colza e óleo de girassol também aumentaram.

O Índice de Preços de Cereais da FAO ficou em média 3,4% mais alto em agosto do que em julho. Os preços mundiais do trigo aumentaram 8,8% devido à redução das expectativas de safra em vários dos principais países exportadores. Os preços do milho, por outro lado, caíram 0,9%, uma vez que as melhores perspectivas de produção na Argentina, na União Europeia e na Ucrânia moderaram as previsões de produção mais baixas no Brasil e nos Estados Unidos da América. Os preços internacionais do arroz mantiveram trajetória de queda.

O Índice de Preços de Carne da FAO subiu ligeiramente em agosto, uma vez que as fortes compras da China apoiaram os preços das carnes bovina e ovina e a sólida demanda de importação do Leste Asiático e do Oriente Médio impulsionou os preços das aves. Os preços da carne suína, por outro lado, caíram devido ao declínio contínuo nas compras da China e à fraca demanda interna na Europa.

O Índice de Preços de Laticínios da FAO caiu marginalmente em relação a julho, com as cotações internacionais de leite em pó diminuindo em meio a uma fraca demanda de importação global e o aumento sazonal das disponibilidades de exportação na Oceania, mais do que compensando o aumento dos preços da manteiga e do queijo.

Oferta mundial de cereais continua adequada, apesar das perspectivas de produção mais baixas

Prevê-se que a produção global de cereais em 2021 chegue a 2 788 milhões de toneladas, um aumento de 0,7% em relação ao ano anterior, mas abaixo das expectativas de julho, de acordo com o novo relatório de oferta e demanda de cereais da FAO , também divulgado hoje.

A produção mundial de trigo deve agora contrair 0,7%, para 769,5 milhões de toneladas este ano, principalmente devido ao impacto negativo das condições de seca prolongada na América do Norte, bem como o clima adverso no Cazaquistão e na Federação Russa.

A produção global de grãos grossos deve crescer 1,3% em 2021, para 1 499 milhões de toneladas, mesmo com a previsão de contração da produção no Brasil. A produção global de arroz deve aumentar 0,9% com relação ao ano anterior, atingindo o máximo histórico de 519 milhões de toneladas, impulsionada por rendimentos recordes relatados para o Vietnã.

A FAO agora projeta que a utilização mundial de cereais em 2021/22 aumentará 1,4% em relação à campanha anterior para 2.809 milhões de toneladas, apoiada por um forte crescimento no uso de rações, bem como por um maior consumo de alimentos. A previsão de julho para os estoques globais de cereais no final das temporadas em 2022 foi reduzida para 809 milhões de toneladas, uma queda de 0,9% em relação aos níveis iniciais.

Os estoques globais de arroz estão a caminho de atingir o segundo nível mais alto já registrado, enquanto o clima seco deve reduzir os estoques de trigo - com os estoques finais nos Estados Unidos da América atingindo a menor baixa em oito anos e os do Canadá caindo para o nível mais baixo em 40 anos. No geral, a proporção mundial de estoques para uso de cereais é projetada em 28,1 por cento, abaixo dos 29,9 por cento em 2021/22 ", mas ainda indicando uma oferta relativamente confortável de uma perspectiva histórica", disse a FAO.

O comércio mundial de cereais deve diminuir em 2021/22, contraindo 1,3%, para 466 milhões de toneladas, com as diminuições previstas no trigo e grãos grossos, superando o aumento do comércio mundial de arroz.


Fonte:FAO