“Foi um divisor de águas na minha vida”, diz ex-aluno sobre JAA

Em 2013, Jorge Vicente Pereira Neto, então com 15 anos e muitas dúvidas na cabeça, foi convidado a participar do programa Jovem Agricultor Aprendiz (JAA), do SENAR-PR. O jovem classifica a capacitação como uma virada na visão que tinha da vida. Graças ao período em que passou no curso, aprendendo sobre conteúdos relacionados às atividades agropecuárias, definiu quais sonhos e projetos gostaria de realizar.

“Eu nunca vou esquecer do instrutor, que sempre incentivava a acreditar em nós mesmos, olhar para nosso potencial”, recorda Neto. “Graças ao JAA que pude avaliar o que gostava de fazer desde criança, que era estar junto com meu avô pescando e cuidando dos bichos na chácara. Acabe por aliar isso ao curso universitário. Assim, me tornei estudante de Engenharia de Pesca e um apaixonado pelas áreas dessa atividade”, completa o jovem, originário de Barbosa Ferraz, no Noroeste do Paraná.

Durante estágio em janeiro e fevereiro de 2019 na Usina de Itaipu, Neto teve a ideia de estudar a composição do canal da piracema na barragem para o seu Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). Para isso, usou tecnologias de ponta, como drones e outros equipamentos modernos de topografia. A dedicação ajudou na conclusão do curso na Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), em Toledo, no ano passado.

“O canal de piracema tem 10 quilômetros de extensão, para possibilitar que os peixes continuem a migração na época da reprodução. O drone facilitou esse trabalho de mapeamento. Com base nessa tecnologia foi possível fazer um modelo em três dimensões do canal, o que permitiu uma noção melhor de como é a dinâmica de deslocamento da água”, comenta.

O TCC rendeu muito mais do que uma boa nota no encerramento do curso. O estudante ficou em segundo lugar em um concurso de trabalhos promovidos pelo Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (Crea-PR). “A tecnologia é algo que está inovando muito o mercado e a parte de drones especificamente pode ser aplicada em inúmeras áreas da agricultura, de uma forma simples”, aponta.

Futuro

O despertar do conhecimento durante o programa JAA, em 2013, e que gerou frutos durante a universidade, foi apenas o começo. Atualmente, Neto é estudante de mestrado em Toledo na área de topografia e drones, com um projeto de ajudar o município de Barbosa Ferraz no despertar da vocação à piscicultura. “Tem vários produtores na cidade que já entraram em contato comigo para começar projetos. Estou mobilizando um grupo e a ideia é trabalhar em um levantamento da parte econômica em relação à produção de peixes”, planeja.


https://sistemafaep.org.br/foi-um-divisor-de-aguas-na-minha-vida-diz-ex-aluno-sobre-jaa/